Identificação biométrica
Sua digital faz toda diferença
Cadastramento biométrico - Recadastramento Biométrico - Justiça Eleitoral
Biometria
Mão - Dedo - Computador - Leitor biométrico

Identificação biométrica

A biometria é uma tecnologia que confere ainda mais segurança à identificação do eleitor no momento da votação. Acoplado à urna eletrônica, o leitor biométrico confirma a identidade de cada pessoa por meio das impressões digitais, armazenadas em um banco de dados da Justiça Eleitoral e transferidas para as urnas eletrônicas.

Para que o eleitor seja identificado por meio da digital nas eleições, é necessário o prévio cadastramento no sistema: no ato do atendimento em cartório ou em posto da Justiça Eleitoral. Além da atualização dos dados constantes no cadastro, são coletadas as impressões digitais dos dez dedos, fotografia e assinatura digitalizada de cada pessoa.

Até janeiro de 2017, 6.871.577 eleitores (aproximadamente 21% do eleitorado paulista) já haviam feito a identificação biométrica no Estado – 2.683.976 desses na capital (30,13% dos eleitores da cidade).

O cadastramento biométrico pode ser feito em todo o Estado de São Paulo, porém sem obrigatoriedade. Os cartórios eleitorais atendem somente mediante agendamento, para evitar filas e agilizar o atendimento ao eleitor. Os endereços dos cartórios eleitorais podem ser consultados aqui.

Algumas unidades do Poupatempo possuem posto de atendimento da Justiça Eleitoral e, ao contrário do que ocorre nos cartórios eleitorais, não é necessário agendar.

Implantação no Estado 

O cadastramento biométrico foi estendido para todo o Estado em outubro de 2015, sem obrigatoriedade de comparecimento. Os mais de 32 milhões de eleitores de São Paulo têm à disposição 425 cartórios – 58 na capital e 367 no interior – devidamente preparados e aptos a coletar dados biométricos dos cidadãos. A implantação da biometria no Estado, porém, foi realizada em etapas, devido ao expressivo número de eleitores.

O primeiro município paulista a utilizar o sistema biométrico de identificação foi Nuporanga (4.928 eleitores), nas eleições de 2010. Na sequência, Sales Oliveira (7.309 eleitores), Itupeva (31.426 eleitores) e Jundiaí (255.162 eleitores) passaram por revisão de eleitorado com coleta de dados biométricos e, em 2012, já tiveram eleições municipais com identificação biométrica.

Entre 2013 e 2014, 11 municípios paulistas passaram pelo mesmo procedimento: Águas de São Pedro, Analândia, Corumbataí, Embu das Artes, Ipeúna, Itirapina, Louveira, São Pedro, Santa Gertrudes, Santa Maria da Serra e Vinhedo somaram 614.030 eleitores cadastrados. Dessa forma, nas eleições gerais de 2014, 15 municípios paulistas utilizaram a biometria para confirmar a identidade do eleitor no momento do voto.

A partir de 13 de março, 79 municípios passarão por revisão obrigatória, que durará até 30 de março de 2018.

Região metropolitana

A cidade de São Paulo, atualmente com quase nove milhões de eleitores, iniciou o cadastramento biométrico de forma gradativa e não obrigatória em 2011, com a participação de 14 cartórios eleitorais. Em 2013, o projeto foi estendido a todas as 58 zonas eleitorais da capital e também aos municípios de Guarulhos, São Bernardo do Campo e Osasco. Carapicuíba e Diadema adotaram, em 2014, o mesmo procedimento de cadastramento gradativo.

 

Mais informações:
Central de Atendimento ao Eleitor148* (não realiza agendamento para biometria)
* custo de ligação local em todo o Estado

Gestor Responsável: Coordenadoria de Comunicação Social +